Início Educação UM GOLPE DE ESTADO NA EDUCAÇÃO

UM GOLPE DE ESTADO NA EDUCAÇÃO

928
3

Como se não bastasse esta pandemia, temos a pandemia dos que estão a dar cabo do ensino básico e secundário.

Depois de ter alertado há uma semana para o caso da Matemática, recebi opiniões de pessoas que exprimem a posição da Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM) e a dos que seguem a da Associação de Professores de Matemática (APM).

Isso permitiu-me reforçar a minha opinião e, com serenidade, digo que me revejo na posição da SPM, sem nenhuma dúvida.

Mas o pior foi que, entretanto, descobri o Despacho nº 6605-A/2021, de 6 de julho, do Secretário de Estado Adjunto e da Educação.

Basicamente, por este Despacho, são revogados todos os “documentos curriculares relativos às disciplinas do ensino básico e do ensino secundário com aprendizagens essenciais definidas”, ficando apenas a ser aplicável o sistema apelidado de “Aprendizagens Essenciais”, além de um genérico e vago documento que define o “Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória”.

O que isto significa é, pura e simplesmente, a criação das condições oficiais, por via de decisão administrativa, para:

a) Um impulso à aceleração da degradação do ensino (que tendencialmente vai ser apenas focado nas “aprendizagens essenciais”),

b) a impossibilidade de comparar macro socialmente os seus resultados fora das “aprendizagens essenciais”, por exemplo em exames (pois a avaliação vai ter de incidir nesses resumos e deixa de fora a aprendizagem dos alunos com professores mais competentes e responsáveis),

c) o nivelamento por baixo da exigência aos estudantes,

d) um processo de dura desigualdade social entre escolas em função do maior ou menor facilitismo e da maior ou menor qualidade dos professores,

e) um aumento da iliteracia e com ela mais uma machadada no elevador social que o vai deixar muitíssimo pior.

Quando na passada semana citei o Professor Buescu sobre o que estava a passar-se no ensino da matemática no secundário (“voltar aos programas de 1991,… Num certo sentido, é voltar à Idade da Pedra”), desconhecia este Despacho que saíra no dia do meu programa.

Como sobre tantas outras coisas, não sou especialista em Matemática nem em Educação. E não sei também nada de Zoologia. Mas sei distinguir uma girafa de um elefante.

O que percebi, depois de fazer alguns contactos com quem sabe, é que este Despacho é a base onde se vai edificar a aceleração da destruição da qualidade do nosso ensino público (pois no privado há como remediar).

Daí o apelo que faço a todos os media, a começar pelo “Expresso”: façam debates sobre isto e evitem aqui o que não querem ou não conseguem evitar na Covid: ouvir apenas os especialistas que nos segredam o evangelho oficial.

Expresso

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.