Início Educação Um flop tão grande como as ondas do mar

Um flop tão grande como as ondas do mar

452
1

Ponto prévio: tenho passado documentado, na vigência do anterior regime, e vastíssima exposição pública e matéria publicada, no decurso do actual, sobre a importância vital dos sindicatos, que dispensam possíveis acusações de discurso anti-sindicalista face às linhas que se seguem.

Particularmente por parte de quem baralha a obra-prima do mestre com o primo do mestre d’obras.

Poupem-me a isso. Contraditem a mensagem, se quiserem e puderem, mas deixem o mensageiro em paz.

Ontem, em artigo do Público (A retórica do IP3) escrevi:

“António Costa reduziu o PS ao que sempre foram os figurões incompetentes que propôs para a Educação. O significado político da retórica pelintra do IP3 ilustrou-o bem. Dizendo o que disse, António Costa deixou implícito que a negociação que hoje vai recomeçar não pode ser mais que a repetição da coreografia do costume, para tentar desmobilizar uma greve que dura há cinco semanas, com uma eficácia que surpreendeu.

Com efeito, os textos das cartas trocadas entre os sindicatos e o ministério, como preâmbulo do tango (para usar a metáfora do próprio ministro) que a partir de hoje vão dançar, enlaçados num faz de conta de desfecho já escrito (a plataforma mortinha por suspender a greve e uma vez mais sair de cena sem resultados, quando a hora era de cerrar fileiras e dizer não, e o ministério decretando previamente quem comanda o baile) são confrangedores: o dos sindicatos por mendigar a retomada de uma negociação que o ministério interrompeu quando chantageou; o do ministério por começar logo (ponto 1 da missiva) com a perfídia de sempre.”

Hoje, melhor, ainda ontem, ficou confirmado o que estava escrito nas estrelas. A plataforma sindical ajoelhou. E como a minha memória não prescreveu, é a terceira vez que ajoelha, desprezando a generosidade dos professores e permitindo que os seus representados continuem a ser calcados.
Entendamo-nos: os sindicatos existem para defender os interesses dos trabalhadores, sem pagar tributos a interesses partidários, muito menos a jogos palacianos que eternizam discursos ocos de resultados.

Comissão técnica para calcular os custos? Então o Governo não os aventou (é certo que aldrabando-os miseravelmente) repetidas vezes? Não os corrigiu recente e publicamente?

A FENPROF não os divulgou (em conferência de imprensa, pela voz de um dirigente seu), depois de os ter feito?

E que têm que ver os custos com a substância ética do cerne do contencioso?

Leiam o comunicado de imprensa, ridículo, do Governo, depois da reunião que decidiu a comissão técnica para … calcular os custos, onde se diz que … “os cálculos disponíveis indicam que não é possível a contagem integral do tempo”.

Oiçam a patética alocução de Mário Nogueira, falando aos professores reunidos na 24 de Julho.

Que palhaçada é esta, depois de tanta dádiva e sacrifícios?

Tirem então as vossas conclusões. A minha, expressou-a bem Almada Negreiros:

“Uma resma de charlatães e de vendidos, que só podem parir abaixo de zero!”

Santana Castilho

1 COMENTÁRIO

  1. desta verborreia estou farta há anos! Será (tenho a certeza) que o "Senhor" também é daqueles que acredita na divisão para reinar? VS Stop – pseudo sindicato agora criado com meia dúzia de dissidentes de um partideco que só quer o poder?
    Há 40 anos que vejo mais do mesmo.
    Fique bem com a sua consciência!

Comments are closed.