Início Educação “Se dúvidas houvesse sobre o papel e representatividade da CONFAP” – Raquel...

“Se dúvidas houvesse sobre o papel e representatividade da CONFAP” – Raquel Varela

628
0

Se dúvidas houvesse sobre o papel e representatividade da CONFAP ontem ficaram esclarecidas. A Presidente não disse nada a não ser que a escola, com ou sem professores, tem que ser manter aberta para os pais irem trabalhar. Incrível. Um armazém de crianças e um mercado de trabalho que não pode parar. Não disse uma palavra sobre as condições de trabalho de professores e funcionários, a falta de professores até em disciplinas de exame; a degradação galopante da qualidade do ensino, os pais que gastam fortunas em explicações, os miúdos encerrados o dia todo, a infantilização dos currículos, e a degradação do ensino fundamental; a falta de qualidade de sono, alimentação, concentração, foco, obesidade, vontade de saber das crianças – grande parte destes factores dão-se não só nos hábitos de casa, mas por culpa do sistema escolar, de como está desenhado. Para os media uma nota, que não é irrelevante. A CONFAP, a olhar o número de pais que participa nas escolas em reuniões des associações de pais – sempre menos de 5%, em geral menos de 1% – não representa os pais, representa um aparelho de interesses, em geral disputados ora pelo PS ora pelo PSD. Têm todo o direito, democracia é assim, tonto é quem não se organiza e não defende o que acredita. Agora o que não podemos é continuar a querer impor que grupos que representam uma minoria representam todos. A CONFAP esteve sempre na frente de apoio às políticas educativas mais desastrosas que este país conheceu. A sua defesa pedagógica foi sempre a defesa da escola voltada para o mercado de trabalho, a anti escola, a anti pedagogia. Um bom debate nacional, aberto ao público, com todos os agentes educativos, com contraditório, seria muito educativo sobre quem pensa e sabe de educação neste país. Quando for apresentada nos media a opinião da CONFAP deve dizer-se “A CONFAP pensa…”, não “os pais pensam”. Eu e milhares somos pais e apoiamos os professores e os funcionários e queremos uma escola que não é um depósito. Não sei quantos milhares pensam como eu, sei que a CONFAP não me representa.