Início Educação Regresso à escola no ensino privado: “turmas bolha” e internet não chegam...

Regresso à escola no ensino privado: “turmas bolha” e internet não chegam para convencer todos os pais

1070
0

Colégios, escolas internacionais e creches vão começar a receber alunos para o novo ano letivo a 1 de setembro, e uma das estratégias para evitar o contágio de covid-19 são as “turmas bolha”, ou seja, a definição de horários e circuitos diferentes para cada turma. Assim, explica esta quinta-feira o “Jornal de Notícias”, caso algum aluno adoeça, só a turma à qual pertence vai para casa.

Esta ideia de horários independentes e desfasados é comum a todas as zonas das escolas (entrada, saída, refeições) para “impedir ao máximo o cruzamento entre grupos” mas também “manter um ambiente de alguma normalidade e uma atmosfera de aprendizagem positiva”, disse ao JN Rita Dantas, da Escola Alemã de Lisboa. Muitas escolas irão medir a temperatura dos alunos ou pedir aos pais para fazer isso em casa, continua o JN. No Porto, a British School comprou mesmo testes para se certificar que o ano letivo começa sem casos positivos de covid-19. Caso isso aconteça, as escolas privadas têm na internet e no ensino à distância um “plano B”.

No entanto, muitas instituições apontam que ainda estão à espera de novas orientações da Direção-Geral da Saúde, sobretudo em casos de suspeita de infeção. “Vamos ajustar os planos de contingência ao que a DGS disser. Imagine: mandar para casa quem tiver dois de três sintomas”, específica ao JN Rodrigo Queiroz e Melo, da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo. Porém, há muitos pais ainda indecisos sobre como encarar o regresso dos filhos à escola. “As escolas ainda não estão a dar informações concretas sobre o que fazer”, diz Jorge Ascenção, da Confederação de Associações de Pais, que considera que os pais deviam estar a ser ouvidos durante a preparação do ano letivo.

Expresso

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.