Início Educação Quase metade dos professores acham que alunos da escola pública precisam de...

Quase metade dos professores acham que alunos da escola pública precisam de dois períodos (ou mais) para recuperar aprendizagens

1176
0

Quase metade (48%) dos professores nas escolas públicas portuguesas preveem que os alunos vão precisar de dois ou mais períodos letivos para recuperarem as aprendizagens perdidas durante os confinamentos impostos pela pandemia. Esta é uma das conclusões do estudo “Ensino e aprendizagem à distância em Portugal durante a pandemia de covid-19: diferenças entre escolas públicas e escolas privadas”, do Observatório Social da Fundação La Caixa e levado a cabo por investigadores da Universidade Nova de Lisboa.

Os docentes do ensino privado parecem estar mais otimistas que os seus colegas do público: só 36% indicaram que os alunos vão precisar de dois ou mais períodos para recuperarem os conhecimentos que a covid-19 atrasou. No entanto, há mais professores do ensino público do que do privado a apontarem que um período letivo será suficiente (23% vs. 32%), e a percentagem de docentes que aponta para um tempo de recuperação de apenas seis semanas é igual nos dois casos: 14%. Além disso, 15% dos docentes nas escolas públicas dizem que não vai ser necessário qualquer tempo de recuperação, contra 18% nos privados.

Esta parte do inquérito foi realizada durante o segundo período – ou seja, ainda antes do segundo confinamento. “As estimativas dos professores quanto ao tempo de recuperação provavelmente aumentaram desde então”, refere o relatório, e aqui o fator tempo é essencial: “Ainda não temos uma perspetiva completa dos danos na aprendizagem a nível nacional porque as provas de aferição feitas em janeiro deste ano [também] foram atropeladas pela pandemia”, aponta ao Expresso Pedro Freitas, um dos autores do estudo. Segundo o Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), várias escolas nacionais não conseguiram realizar as provas de aferição devido a encerramentos e outros constrangimentos sanitários, e por isso o especialista reforça: “Precisamos de mais informação para perceber quanto tempo vai demorar a recuperação das aprendizagens, e sobretudo quantos alunos foram afetados e como”, acrescenta.

Uma coisa é certa: independentemente do detalhe dos dados atuais, o Ministério da Educação devia ter aproveitado o verão para atuar. Não o fez: “Agora já é tarde, mas o Governo não devia ter desperdiçado o verão”, lamenta Pedro Freitas, que fez parte do grupo de investigadores que em março apresentou ao Executivo uma proposta para resgatar o ensino do impacto pandémico. A proposta assentava em duas ideias: escolas de verão durante quatro semanas para alunos do 1.º e 2.º ciclos, cinco horas por semana, combinando atividades lúdicas e recuperação de aprendizagens; e a introdução de programas de tutoria a Língua Portuguesa e a Matemática, com duas aulas por semana integradas no horário escolar, duração entre 30 minutos e uma hora, para grupos de três a cinco alunos do ensino básico, durante pelo menos 12 semanas.

“Entretanto foram avançadas ideias semelhantes, como o verão de porta aberta, para que os alunos pudessem voluntariamente participar em programas de recuperação nas próprias escolas. Defendemos isso”, garante, lembrando que várias autarquias e IPSS do país já estão a pôr em prática modelos similares – mas apenas a nível local, e não em coordenação com a tutela.

PLANO DO GOVERNO PRECISA DE MAIS DETALHES

O Ministério da Educação não aproveitou o verão, mas lançou no mês passado o Plano Escola+ 21/23: um modelo “com vista à recuperação das aprendizagens” para “garantir que ninguém fica para trás”, assente no reforço da autonomia das escolas, e que procura promover o sucesso escolar e combater as desigualdades no ensino. O plano está dividido em eixos e apresenta várias ideias: uma maior aposta na literacia digital, na leitura e no uso de recursos digitais; ou a ampliação da autonomia curricular e o “reforço extraordinário de docentes” e de outros profissionais de apoio ao ensino – entre outras propostas.

“O programa tem muitas medidas, mas muitas delas são gerais, transversais ao ensino, e já estavam a ser aplicadas antes da pandemia. Isso tem a vantagem de garantir autonomia às escolas e aos alunos, mas tem uma desvantagem: torna o plano disperso”, analisa Pedro Freitas, que pede mais “foco”: “Seria bom deixar claro o que são medidas de recuperação [da pandemia] e o que são medidas genéricas. Ou seja, definir claramente o que é recuperação de aprendizagens. E sobretudo responder a esta pergunta: este plano pretende chegar a quantos alunos?”, pergunta o especialista.

Pedro Freitas dá o exemplo das tutorias, uma ideia presente no plano do Governo: “É algo que precisa de gente para ser posto em prática, os tutores têm de ser contratados. Ora, o número de pessoas a contratar depende sempre do número de alunos que necessitam deste apoio, e estes pontos não estão detalhados no documento”, avisa, lembrando que a proposta que o grupo de investigadores fez em março apresentava esses detalhes, quer no plano das escolas de verão, quer no plano de tutorias: não só expunha quantos alunos cada medida podia atingir em diversos cenários, como orçamentava ao pormenor as medidas nesses diversos cenários.

O Ministério da Educação não foi tão longe, mas mesmo assim traz boas ideias: o método “Avançar recuperando”, por exemplo, pressupõe o reforço das medidas de “apoio individualizado” como as tutorias: “Numa turma de sétimo ano, há alunos a quem faltam conteúdos do sexto ano. Podemos ter uma abordagem de mediação, parando até que as aprendizagens do sexto sejam apreendidas, ou de aceleração, que significa continuar a dar a matéria do sétimo ano e ao mesmo tempo garantir apoio individualizado para recuperar a matéria do ano anterior. Já há alguma evidência em estudos norte-americanos que mostra que a aceleração é benéfica, mas apenas se houver o tal apoio específico”, explica Pedro Freitas.

Mais uma vez, há o problema da (falta de) informação. Mas Pedro Freitas insiste: o plano tem um orçamento total de mais de 900 milhões de euros e por isso “deveria dizer que tem recursos para x alunos, e adiantar de que formas seria ajustado se for preciso chegar a mais gente.” “Em setembro tem de haver um melhor diagnóstico da situação, para que os recursos possam ser distribuídos e o plano possa ir sendo adaptado”, acrescenta. Pede também que periodicamente sejam divulgados indicadores sobre a execução do plano governativo nas escolas “para perceber como o sistema está a evoluir” – e o despacho do Governo já prevê isso mesmo.

Questionado pelo Expresso sobre a quantos alunos é suposto o atual plano chegar, o Ministério da Educação relembra: o Escola+ 21/23 assenta no princípio da autonomia das escolas, e por isso cabe a cada uma delas decidir quantos alunos necessitam de ajuda e de que formas específicas essa ajuda deve ser prestada tendo em conta as diretrizes conhecidas.

Expresso

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.