Início Educação PSD quer governo “espevitado” para recuperação de aprendizagem pós-confinamento

PSD quer governo “espevitado” para recuperação de aprendizagem pós-confinamento

290
0

O PSD vai realizar um debate no parlamento, na próxima quinta-feira, com o objetivo de “espevitar” o Ministério da Educação a “agir com urgência” quanto à recuperação de aprendizagens perdidas durante o ensino à distância devido à pandemia.

“Em setembro de 2020, devíamos ter tido um plano para desenvolver ao longo do ano letivo, fizemos o segundo confinamento sem plano de recuperação de aprendizagens e o PSD está preocupado e quer levantar esta questão”, explicou a deputada, em declarações à Lusa.

Na próxima quinta-feira, numa organização conjunta do grupo parlamentar e do Conselho Estratégico Nacional (CEN) do partido, o PSD terá como oradores convidados o vice-presidente do partido e ex-ministro da Educação, David Justino, e o politólogo e coordenador do livro “Escolas para o Século XXI”, Alexandre Homem Cristo. A iniciativa, que será transmitida online, contará também com um debate em que o PSD conta ter a participação de diretores e professores.

No final de março, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo iria apresentar em maio o Plano de Recuperação de Aprendizagens 21/23.

“Ainda nada sabemos sobre esse plano, ainda não fazemos ideia das linhas estratégicas que estejam a ser pensadas para orientar as escolas”, contrapôs Cláudia André.

Depois do debate da próxima quinta-feira, o PSD pondera entregar uma iniciativa legislativa com “recomendações ao Governo”, mas deixa, desde já, algumas conclusões que resultaram da audição parlamentar desta sexta-feira.

“Por exemplo, não foram adotadas medidas corretivas para os alunos mais vulneráveis, não existiu qualquer diagnóstico para detetar, em especial no primeiro ciclo, quais as lacunas que ficaram nas aprendizagens”, apontou.

Segundo a deputada do PSD, todos os especialistas apontam para um agravamento do fosso entre os alunos, nomeadamente entre os que têm dificuldades socioeconómicas e de aprendizagem, o que os sociais-democratas consideram poder ser corrigido com mais professores nas escolas.

“O que nós queríamos era que se investisse seriamente em recursos humanos para aumentar o apoio personalizado aos alunos”, defendeu, referindo que uma medida que tem sido adotada em outros países passa por apoio extra na sala de aula por professores ou tutores, em especial no primeiro ciclo.

Por outro lado, acrescentou, também a formação dos professores deve ser adaptada, já que a forma de transmitir conteúdos no ensino digital “tem de ser atrativa”.

“O PSD está extremamente preocupado por perceber que não houve capacidade, por parte do Ministério da Educação, para dar respostas adequadas e imediatas às necessidades das escolas”, frisou a deputada social-democrata.

Cláudia André apontou, ainda assim, as escolas como “tábua de salvação para que a falta de medidas não tivesse tido um reflexo ainda mais gravoso”. “As escolas demonstraram ser capazes de responder, os professores conseguiram adaptar-se e sacrificar-se em prol dos alunos e as famílias conseguiram adaptar-se dentro do possível”, frisou.

Observador

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.