Início Educação Professores portugueses têm os níveis de stress mais altos da Europa

Professores portugueses têm os níveis de stress mais altos da Europa

995
0

Quase metade dos professores europeus do 3.º ciclo do ensino básico (do 7.º ao 9.º anos de escolaridade) sentem níveis de stress elevados associados à profissão. Portugal aparece acima da média europeia e encabeça a tabela, com 87% dos profissionais da educação a viverem momentos de “bastante” ou “muito” stress no trabalho. Os dados constam do relatório da Comissão Europeia “Professores na Europa – Carreiras, Desenvolvimento e Bem-estar”, publicado esta quarta-feira.

As principais fontes de stress para os professores não estão ligadas às aulas, revela o estudo, que compreende os anos entre 2018 e 2020. Tarefas administrativas, ter de cumprir exigências por parte de superiores ou sentirem-se responsáveis pelo sucesso dos alunos são algumas das explicações para o desgaste da classe profissional.

Também no que respeita ao impacto do trabalho no bem-estar dos professores, Portugal aparece acima da média europeia no que aos piores cenários diz respeito. Mais de metade dos educadores diz sofrer física e mentalmente com o trabalho. A par de Portugal estão países como a Bélgica, a Bulgária, a Dinamarca, França, Letónia e o Reino Unido. Em termos gerais, na Europa, 24% e 22% dos profissionais reportam um impacto negativo da profissão tanto na saúde mental como na física, respectivamente.

Precariedade e envelhecimento

No que toca às condições de trabalho, o cenário não é melhor: cerca de 80% dos professores portugueses com idades inferiores a 35 anos têm contratos a termo certo. Portugal está na cauda da Europa: estes profissionais mais jovens reduzem-se a apenas 3,4% do total de professores no país quando a média europeia é de 19,2%.

O relatório revela uma realidade já antiga em Portugal, partilhada com o resto da Europa: uma classe profissional envelhecida. A Estónia é o país com professores mais velhos (54,5% do total), seguida pela Grécia, Lituânia, Itália e Letónia, países onde pelo menos metade dos educadores tem mais de 50 anos. Portugal aparece no oitavo lugar da tabela: entre 40% a 50% dos professores portugueses do 3.º ciclo vão-se aposentar nos próximos 15 anos.

Quanto às condições salariais, aspecto importante para a satisfação laboral, o descontentamento é geral. Na média da União Europeia, apenas 37,8% dos professores consideram o vencimento satisfatório ou muito satisfatório. Portugal situa-se, mais uma vez, abaixo da média, assim como a Islândia. Por cá, menos de um em cada dez professores diz estar satisfeito com o salário que recebe.

O relatório alerta que em Portugal o salário dos professores aumentou “muito pouco” ao longo dos últimos dez anos, desde a crise económica de 2009. Já na Bélgica e na Áustria, 70% dos profissionais da educação dizem-se satisfeitos com a sua remuneração.

Público