Início Educação Professores organizam Marcha pela Educação em Lisboa em 17 de fevereiro

Professores organizam Marcha pela Educação em Lisboa em 17 de fevereiro

138
0

Um grupo de professores está a organizar uma Marcha pela Educação, marcada para 17 de fevereiro, em Lisboa, para um “último grito de alerta” antes das eleições em defesa da escola pública.

 

A convocatória começou a circular em vários grupos e blogues de educação no início da semana: “A Marcha pela Educação irá realizar-se no dia 17 de fevereiro, com início no Largo do Rato, às 14h00, e terminará em frente à Assembleia da República”.

Paulo Fazenda é um dos cerca de 20 professores de escolas de norte a sul do país na organização do protesto que pretende chamar a atenção para os problemas da escola pública, problemas antigos, que dizem não ter tido resposta do Governo demissionário e que deverão ser uma prioridade do próximo.

“Foi penoso estarmos a assistir à continuada degradação da escola pública e nada fazer”, disse à Lusa o professor de Santa Maria da Feira, explicando que a marcha pretende ser um “último grito de alerta” antes das eleições legislativas, marcadas para 10 de março.

 

Como cancelar contrato com o ginásio sem ter de pagar?
“A época da campanha eleitoral é o momento para exigir a todos os partidos políticos um compromisso no que toca às suas prioridades para a educação na próxima legislatura”, sublinhou.

Os principais problemas que refere não são novos e marcaram, aliás, a contestação dos profissionais das escolas no ano passado, quando as greves se prolongaram por vários meses e dezenas de milhares de pessoas se juntaram em diversas manifestações.

Insistindo na recuperação integral do tempo de serviço congelado, a principal reivindicação dos professores, Paulo Fazenda destaca ainda a necessidade de uma revisão salarial, do regime de aposentação e do regime de mobilidade por doença, além das condições de trabalho dos professores.

 

“No debate político que se vai fazer até às eleições, a educação tem de ser um dos temas em foco”, insistiu, defendendo que os partidos têm de assumir as suas políticas educativas, prioridades e compromissos perante a escola pública.

Observador