Início Educação Perguntei ao ChatGPT

Perguntei ao ChatGPT

59
0

Estando eu a frequentar um Curso sobre a IA e a Educação, e tendo que explorar o ChatGPT, coloquei a questão:

 

Como seria a escola sem Professor?

 

A resposta foi a seguinte:

 

Uma escola sem o professor poderia ser bastante desafiadora e diferente. Algumas possíveis características seriam:

Aprendizado autônomo: Os alunos teriam que aprender por conta própria, utilizando recursos como livros, internet e recursos audiovisuais. Eles seriam responsáveis por organizar seu próprio tempo de estudo e definir suas metas pessoais de aprendizado.

Tutoria ou mentoria: Poderia haver a presença de tutores ou mentores especializados em determinadas áreas, que estariam disponíveis para esclarecer dúvidas e orientar os alunos em seu processo de aprendizagem.

Aprendizado colaborativo: Os alunos poderiam ser incentivados a trabalhar em grupos, compartilhando conhecimentos e discutindo conceitos entre si. Isso estimularia a colaboração e a troca de ideias.

Tecnologia como aliada: Ferramentas tecnológicas poderiam ser utilizadas para auxiliar o aprendizado, como aplicativos, plataformas digitais e recursos interativos. Os alunos teriam acesso a uma vasta gama de recursos educacionais online.

Avaliação diferenciada: A avaliação poderia ser baseada em projetos, trabalhos em grupo, pesquisas individuais e exercícios práticos. Seria importante enfatizar o desenvolvimento de habilidades e competências, ao invés de apenas a memorização de conteúdos.

Foco no desenvolvimento pessoal: A escola sem professor poderia concentrar-se no desenvolvimento de habilidades socioemocionais, como pensamento crítico, resolução de problemas, liderança e trabalho em equipe.

É importante ressaltar que essa é apenas uma visão hipotética de como seria uma escola sem professor. Na prática, a presença de um professor é fundamental, pois ele desempenha um papel insubstituível na orientação, mediação e no estímulo ao aprendizado dos alunos.

 

Na mesma linha publiquei um pequeno texto há algum tempo sobre a mesma temática e percebi que a minha visão não é muito diferente da do Chat GPT.

 

A Maria tem 13 anos e é aluna  no planeta Terra.

A Escola da Maria começa às 9h.

A Maria às 9 h da manhã terá uma dinâmica de grupo.

Antes a Maria deve tomar o pequeno almoço, procurar estar penteada e vestida com cores compatíveis com a câmera do computador, e deve ter os conhecimentos da comunicação não verbal, porque está a ser filmada.

A atenção, emoção e o trabalho, participação nas dinâmicas de grupo será armazenada nos ambientes inovadores de aprendizagem. No fim de cada semana, a Maria será avaliada. Terá um relatório que será enviado ao seu tutor escolar  encarregado de educação, será feito um perfil de competências da Maria, a Maria aos 18 anos já terá o seu futuro traçado, já é conhecido o seu perfil de competências e o seu perfil profissional.

O dia escolar da Maria inicia com um Sistemas Tutoriais Inteligentes (ITS), de seguida terá de usar as ferramentas: Simulações assistidas por IA (por exemplo, aprendizagem  baseado em jogos, VR, AR), e a Escrita Automática de Redação (AEW).

Mas a parte do dia que a Maria mais gosta é estar no Chatbot, um  chatbot é um programa de computador que usa inteligência artificial (IA) e processamento de linguagem natural (NLP) para entender as perguntas dos alunos  e automatizar as respostas a elas, simulando uma conversa humana. Sistemas Tutoriais Baseados em Diálogo (DBTS).

O dia escolar da Maria termina na  Avaliação Formativa Automática (AFA), que está nos ambientes exploratórios de Aprendizagens. Os Ambientes Exploratórios de Aprendizagem têm Coordenadores de  Centros de Aprendizagem.

Todas as semanas, o Ministério da Educação, a Câmara Municipal, a Proteção  e os Encarregados de Educação da Maria recebem uma relatório com os dados de progressão da Maria, e o seu lugar no ranking dos alunos da cidade.

No fim do dia, a Maria deve praticar exercício físico, tem um relógio que faz a exportação dos dados para o Ministério da Educação, para a Câmara Municipal, para o Ministério da Saúde e para os encarregados de educação da Maria.

Eu nessa altura serei tutora escolar, vou analisar os dados, e terei que aconselhar as áreas que Maria deve trabalhar de acordo com o relatório emitido pelos Centros de Aprendizagem.

De seguida, envio os dados gerados para o Ministério da Educação, Câmara Municipal, Ministério da Saúde e encarregados de Educação da Maria.

Depois de comparar as duas versões, a minha e a do ChatGPT, vem o pensamento.

Como será o uso ético dos dados gerados?

Deve ser produzida legislação sobre o assunto, já que estes dados podem ser usados e explorados  de uma forma pouco digna.

Elisa Manero