Início Educação O Xadrez Político das Eleições in Observador

O Xadrez Político das Eleições in Observador

159
0

A política contemporânea frequentemente se assemelha a um tabuleiro de xadrez, repleto de movimentos estratégicos, alianças fugazes e mudanças bruscas. Nos últimos anos, a presença de candidatos independentes nas eleições legislativas tem sido um ponto fulcral, redefinindo o panorama político nacional.

Até meados de janeiro, assistiremos a uma competição multifacetada, onde a primeira corrida destaca os “independentes”. Esses candidatos têm desempenhado um papel de destaque, comparável às contratações milionárias nos clubes de futebol, ao conseguirem uma captação nacional de reconhecimento. No entanto, essa jornada nem sempre é vantajosa; muitos independentes viram os seus prestígios arruinados ao participar nesse jogo de visibilidade.

A inclusão de independentes nas listas dos partidos políticos inicialmente parece um sinal de abertura e envolvimento político. Contudo, essa colaboração nem sempre se mantém até o final do mandato. Alguns saltam de partido em partido em busca de oportunidades mais vantajosas, minando a estabilidade e comprometendo a confiança do eleitorado.

A segunda corrida, igualmente relevante, concentra-se no preenchimento das listas de deputados. É um privilégio estar nessas listas, dizem alguns,  mas nem todos os candidatos tratam essa oportunidade com igual importância. Alguns se envolvem ativamente na campanha, enquanto outros se ausentam, usando desculpas diversas para a justificar ou aproveitam para cumprir outras agendas pessoais. Outros ainda só aparecem nas campanhas e depois passam os mandatos desaparecidos.

As eleições futuras, em 10 de Março de 2024, estão impregnadas de expectativas e análises do cenário político dos últimos anos. Mudanças significativas ocorreram, desde o desaparecimento do CDS às quedas drásticas do Bloco de Esquerda e do PCP. Este redemoinho político antecipa uma imprevisibilidade na definição do vencedor, ainda que a potencial vitória do Partido Socialista, especulada por alguns avençados, sejam analistas políticos, sejam jornalistas é um cenário provável. Os mesmos que há meses diziam que Pedro Nuno Santos não tinha condições para continuar ministro, dizem hoje que tem tudo para ser o próximo primeiro ministro. Vai-se entender!

Na realidade, o meu prognóstico é de que a conjetura futura aponta para uma disputa de poder entre o Partido Socialista e o Partido Social Democrata, enquanto o Chega poderá ser a terceira força política. No entanto, dados precisos para prever o impacto do Partido Chega ainda são incipientes, levando a especulações sobre sua posição no cenário político.

As previsões apontam para uma possível redução drástica na representação parlamentar de partidos como o Bloco de Esquerda, o Livre, o PCP e o PAN, que podem ver-se limitados a apenas um deputado cada. Essa reconfiguração ameaça alterar o equilíbrio político tradicional, colocando em risco a representação diversificada no parlamento.

Em resumo, as eleições futuras prometem uma batalha acirrada entre os partidos estabelecidos, com a questão dos independentes e as mudanças bruscas na dinâmica partidária a desempenhar um papel crucial. A questão-chave persiste: como essas mudanças moldarão o futuro político do país e a representação dos cidadãos no parlamento?

https://observador.pt/opiniao/o-xadrez-politico-das-eleicoes/