Início Educação O que leva uma criança a tornar-se um bully? Quais são os...

O que leva uma criança a tornar-se um bully? Quais são os sinais? E o que pode um pai fazer?

373
0

É um fenómeno que está presente na vida de muitas crianças e adolescentes, por vezes com contornos mais graves. O vídeo divulgado recentemente, que mostra um jovem a ser atropelado no Seixal depois de fugir das colegas que o insultavam, voltou a chamar a atenção para um problema muitas vezes escondido, mas que, segundo dados da GNR, afetou mais de 5.600 crianças em 2020.

Caracterizado por uma “diferença nos poderes e de forças” entre duas partes, o bullying consiste numa prática “sistemática e intencional de sofrimento emocional” através da violência física ou psicológica (ou ambas) a uma vítima. O bully — ou seja, o agressor — sente-se numa posição superior “ou porque é mais velho, mais forte fisicamente, ou porque se sente mais poderoso do ponto de vista da influência num determinado meio”, explica a vice-presidente da Ordem dos Psicólogos, Sofia Ramalho.

O problema atinge sobretudo crianças e adolescentes e tem muitas vezes lugar nos recreios das escolas, sendo que tem uma “maior prevalência nos jovens a partir dos 13 anos”, numa idade em que é normal que ocorram “desentendimentos breves” que até são “desejáveis”, por oferecem “oportunidades de desenvolvimento” no que diz respeito à “resolução de problemas”, destaca Sofia Ramalho. No entanto, o bullying distingue-se deste quadro, dado que as desavenças se prolongam no tempo e podem resultar em danos físicos e psicológicos para o agredido, que não é capaz de se defender por si próprio.

Ao Observador, a pedopsiquiatra Ana Vasconcelos realça que, embora exista uma diversidade de casos de bullying, “os engenhos psicopatológicos [ou seja, o comportamento base de cada uma das partes] não são muito diferentes” entre eles. Por norma, enquanto o agressor não apresenta empatia, imitando “mecanismos de humilhação”, o agredido mostra um comportamento “passivo” e de “submissão” e não consegue travar o comportamento do bully.

O vídeo tornado público na terça-feira foi mais um episódio disto mesmo. É essa a convicção de José Lemos, pai da vítima, que acusa a escola que o filho e as agressoras frequentam de não fazer nada para impedir os comportamentos mais violentos. A Escola Básica Dr. António Augusto Louro negou, contudo, ter “conhecimento de conflitos entre estes alunos” e adiantou que, “tendo a direção tomado conhecimento do sucedido, deu início ao procedimento disciplinar previsto na lei”.

Leia mais em Observador

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.