Início Educação Movimento ‘A Escola É Nossa’: Greve Nacional dos Alunos A 02 de...

Movimento ‘A Escola É Nossa’: Greve Nacional dos Alunos A 02 de Novembro

111
2

Num período de apenas uma semana, o movimento estudantil “A Escola É Nossa!” conseguiu atrair mais de sete mil seguidores no Instagram. Este grupo, constituído por estudantes anónimos, está a organizar um protesto marcado para o dia 2 de novembro, convocado através das redes sociais. No entanto, as faltas às aulas nesse dia podem não ser justificadas, uma vez que não existe um enquadramento legal para uma greve de alunos.

O movimento teve início com a primeira publicação no Instagram a 12 de outubro, onde apresentaram o logótipo do grupo e convocaram uma “greve nacional de alunos”. Posteriormente, as publicações destacaram reivindicações como “educação sexual para todos”, “comida decente” nas cantinas escolares e a necessidade de mais professores e assistentes profissionais nas escolas. O grupo também elaborou um manifesto com 35 pontos, incluindo a remoção da obrigatoriedade dos exames nacionais e o direito dos alunos de escolherem o tipo de comida que desejam.

O movimento “A Escola É Nossa!” é constituído por estudantes que preferem manter o anonimato para evitar possíveis conflitos com colegas que os possam acusar de procurar protagonismo. Eles afirmam que não têm ligações a sindicatos, partidos ou outros movimentos e o seu objetivo é dar voz aos estudantes em todo o país.

 

No entanto, juristas dizem que o protesto organizado pelos estudantes não pode ser considerado uma greve, uma vez que eles não são uma estrutura sindical e não têm uma entidade patronal. Portanto, não têm legalmente o direito à paralisação. O presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas Públicas (ANDAEP) concorda que esse protesto não pode ser chamado de greve.

A Confederação das Associações de Pais (CONFAP) admitiu desconhecer o movimento e as suas intenções. Até ao momento, o Ministério da Educação não forneceu qualquer resposta ou reação ao movimento estudantil e à greve planeada para novembro.

A mobilização deste movimento estudantil nas redes sociais e a sua chamada para ação em nome de melhores condições de ensino estão a atrair atenção, enquanto o debate sobre a legitimidade do seu protesto continua a ser discutido.

Fonte: Blog+ Sobre Educação

2 COMENTÁRIOS

  1. 50 anos após o 25 de abril, e a preocupação geral é se os estudantes têm direito a manifestar-se assim? Se estarão a ser manipulados por partidos ou sindicatos?
    Gostaria de ver algum tipo de compreensão para com estes miúdos corajosos que vão ter faltas injustificadas, vão exibir cartazes à chuva, vão lutar sozinhos por tantas reivindicações que deveriam ser desígnio nacional…

Comments are closed.