Início Educação Alunos são quem mais perde se desconfinamento não for ganho, avisa ministro...

Alunos são quem mais perde se desconfinamento não for ganho, avisa ministro da Educação

403
0

O ministro da Educação considerou esta sexta-feira como “crucial” o sucesso do processo de desconfinamento, avisou que nada está ganho na contenção da covid-19 e defendeu que os alunos serão quem mais perde se a situação se complicar.

 

Estas advertências foram transmitidas por Tiago Brandão Rodrigues na inauguração das obras de ampliação aos 2.º e 3.º ciclos da Escola Básica do Parque das Nações, cerimónia que teve a presença do primeiro-ministro, António Costa, e do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

 

No seu breve discurso, o ministro da Educação começou por recordar os tempos em que foi estudante da Universidade de Coimbra e em que esteve na Expo 98 como voluntário, numa altura em que o Parque das Nações estava em lançamento e não tinha ainda infraestruturas escolares ou de saúde.

 

“Hoje, fecha-se aqui uma sequência de instalações escolares. Deixa-se um legado para todas as gerações futuras que por aqui passarão”, disse, antes de se referir à atual situação epidemiológica do país.

 

“Estamos num momento crucial com o encerramento do segundo período escolar, já com atividades letivas nos jardins de infância e no 1.º ciclo. Quero dizer algo sobre este processo de desconfinamento: O país passa por um período complexo e nada está ganho”, declarou.

 

Tiago Brandão Rodrigues contou em seguida que tem falado com professores e autarcas e que todos sabem que “quem mais tem a perder, se as coisas não correrem como se deseja, são as crianças e os jovens”.

 

 

“Temos de fazer com que o desconfinamento possa acontecer como todos desejamos, tendo em vista abrir o terceiro período escolar como queremos, com o 2.º e 3.º ciclos, e depois possamos abrir com os ensinos Secundário e Superior”, apontou.

 

Antes, o presidente da Câmara de Lisboa afirmou que a expansão daquela escola básica “encerra o compromisso do Estado com a cidade no que ao Parque das Nações diz respeito”.

 

“Esta inauguração culmina um caminho de atrasos, insuficiências e dificuldades em responder durante 20 anos às necessidades do Parque das Nações, designadamente em matéria de infraestruturas que estavam projetadas. É justo uma palavra de agradecimento e de reconhecimento ao Governo pelo trabalho notável que desempenhou nos últimos anos no sentido de saldar todas as questões pendentes. Esta é no fundo a última da responsabilidade da administração central”, advogou Fernando Medina.

 

Ou seja, segundo o presidente da Câmara de Lisboa, “fecha-se agora o ciclo de infraestruturas necessárias ao Parque das Nações”.

 

“Na próxima semana, será aberto o concurso do centro de saúde do Parque das Nações. Ainda antes do verão, abrirá o concurso da nova escola básica projetada pelo saudoso arquiteto Manuel Graça Dias na zona norte do Parque das Nações”, acrescentou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.