Início Educação A podridão da luta dos professores – Carlos Miguel Santos Silva

A podridão da luta dos professores – Carlos Miguel Santos Silva

673
2

Os Ramos, as Rainhas, as Pessoas e os Campos desta vida são uma vergonha para a classe dos professores. São oportunistas, traidores e intolerantes.

A meio da luta dos professores, em 2023, eles tentaram criar um partido político às custas da mobilização da classe. Quando perceberam que não iriam conseguir, mantiveram-se acriticamente ao lado de quem traiu os professores por ambição pessoal.

Agora, depois da traição, eles vêm criticar todos aqueles que souberam levantar-se após a traição e agem como independentes em prol da classe. Tentam denegri-los e fazer colagens a partidos, como se só eles pudessem ter partidos ou como se ser de determinado partido fosse crime.

É a intolerância e o desrespeito daqueles que se dizem tolerantes e agregadores. Apenas o são enquanto acenares com a cabeça, concordando com tudo, caso contrário começas a ser persona non grata.

Eles não percebem que o que destruiu a luta em junho de 2023, foi o golpe que quiseram dar no MAS, na tentativa de criação do MUDAR, que agora é JÁ. Foi o aproveitamento da união que havia entre sócios e não sócios do STOP.

Achar que alguém que seja sócio do STOP será de certeza militante de um qualquer partido encabeçado por o seu líder é uma ideia peregrina, própria de quem é órfão de inteligência.

Durante a luta do ano passado, os professores que se manifestaram não deixaram de ser dos seus partidos para serem carneiros de um pastor. Alguns sim, mas não todos. Um professor é sempre um professor, seja de direita ou de esquerda. A luta da classe nada tem a ver com partidos.

Seria interessante que os Ramos, as Rainhas, as Pessoas e os Campos desta vida percebessem isso. Reduzam-se à sua insignificância e deixem os professores lutar. Não esperem que todos sejam vassalos!

Esses são pessoas de personalidade fraca e oportunistas. São incapazes de tomar decisões por si próprias e preferem seguir o líder que lhes diga o que fazer.

São também pessoas intolerantes e desrespeitosas. Não aceitam a opinião dos outros e consideram-se os únicos donos da verdade.

São, por fim, pessoas egoístas e que só pensam em si próprias. Não se preocupam com os interesses da classe dos professores e só estão interessados em promover as suas próprias ambições pessoais.

Eles foram responsáveis pela destruição da luta dos professores em 2023. Basta ver quantas pessoas mobilizad, atualmente, o STOP!

A sua tentativa de criar um partido político às custas da mobilização da classe dividiu a classe e levou à perda de força da luta.

A sua manutenção ao lado de quem traiu os professores por ambição pessoal desacreditou a luta e levou à sua derrota. Por mais que digam que quem destruiu foi quem denunciou o oportunismo!

E agora, a sua crítica aos professores que agem como independentes, tentando denegri-los e fazer colagens a partidos, está a tentar minar a luta e a impedir a sua renovação.

O futuro dos professores passa pela união e pela renovação da luta. Os professores precisam de se unir independentemente das suas filiações partidárias e precisam de renovar a luta, afastando-se dos oportunistas, dos traidores e dos intolerantes.

Os Ramos, as Rainhas, as Pessoas e os Campos desta vida representam o passado trágico e oportunista da luta dos professores. É hora de os professores deixarem de seguir esses líderes e de assumirem o seu próprio destino.

Carlos Miguel Santos Silva

2 COMENTÁRIOS

  1. Só os ingénuos não perceberam isso desde o primeiro dia, Sempre esteve previsto
    Não esquecer de associar aos nomes os bloguistas … desde e blogues afins

  2. É lamentável que os PE não se unam na mesma LUTA. A LUTA é de TODOS e para TODOS. Os Agentes de Segurnça estão a dar-nos uma tremenda lição.

Comments are closed.