Início Uncategorized Viral – “Mudar o discurso sobre os professores” – Por Ricardo Paes...

Viral – “Mudar o discurso sobre os professores” – Por Ricardo Paes Mamede

14
8

Vários estudos internacionais sugerem que a qualidade dos professores é decisiva para evitar o abandono escolar e para melhorar o sucesso educativo. Face a isto, é preocupante que Portugal surja como um dos países onde é mais reduzida a proporção de bons alunos que querem ser professores. Estes dados deveriam ser tidos em conta na discussão pública sobre o tema, mas raramente é assim.

O debate sobre os docentes dos ensinos básico e secundário no nosso país tem sido determinado pelas restrições orçamentais do Estado português. Isto é assim desde há duas décadas, quando as finanças públicas se tornaram a questão primordial da governação – e a contenção dos gastos com pessoal docente uma missão central dos sucessivos ministros da Educação.

O objectivo tem sido alcançado de diferentes modos. Durante muitos anos os governos mantiveram dezenas de milhares de professores na condição de contratados, apesar de satisfazerem necessidades permanentes do sistema, evitando assim que progredissem na carreira e auferissem salários mais elevados. Forçado pelo Tribunal de Justiça da UE a vincular grande parte dos contratados, o Ministério da Educação foi encontrando outras vias para a poupança: aumentando o número de horas de trabalho lectivo e não lectivo, aumentando o número da alunos por turma, eliminando reduções de horários para docentes mais velhos, adiando a idade da reforma, dificultando a progressão na carreira, etc.

Como seria de esperar, aquelas medidas mereceram o protesto dos professores. Com pouca margem orçamental para o evitar, os responsáveis pelo Ministério da Educação socorreram-se demasiadas vezes de uma arma negocial de recurso: tentar descredibilizar publicamente a outra parte.

A receita é frequentemente usada em diferentes contextos: qualquer grupo profissional que resiste à perda de direitos é apresentado como uma elite privilegiada, movida por interesses egoístas, sem consideração pelo bem comum. Na era das redes sociais, não falta quem – por ignorância, maldade ou oportunismo – amplifique a mensagem. O objectivo é isolar na sociedade o grupo que protesta, retirando-lhe assim legitimidade democrática e força negocial.

Objectivamente, não faltam motivos à insatisfação dos docentes. Não se trata apenas da redução de salários e do aumento da carga lectiva. Juntamente com a forte pressão orçamental, a última década foi marcada pelo alargamento da escolaridade obrigatória até aos 18 anos, ao mesmo tempo que o país passava por uma crise económica e social profunda. Como resultado, as escolas públicas passaram a lidar diariamente com todos os tipos de disfuncionalidade cognitiva, familiar e social, sem recursos para fazer face aos novos desafios.

Os professores de hoje não só trabalham mais e recebem menos do que no passado, como fazem as vezes dos psicólogos, dos assistentes sociais, dos mediadores culturais e familiares, dos orientadores profissionais e dos funcionários administrativos que o Estado não garante e que as escolas não podem pagar. Poder-se-á dizer que outros grupos profissionais têm histórias equivalentes para contar – polícias, enfermeiros, médicos, juízes, etc. – e que a crise toca a todos. É um facto, mas não tal reduz o desalento nem o cansaço dos profissionais em questão.

Neste contexto, qualquer sugestão de que o protesto dos professores é a mera expressão de interesses corporativos ilegítimos terá como resultado inevitável o acentuar do mal-estar e da contestação. Os responsáveis pela política de educação têm obrigação de saber isto. Mas não só: têm de ter consciência das implicações da sua estratégia de negociação para o futuro do país. Afinal, quem quererá ter um emprego cujo horizonte é trabalhar cada vez mais, ganhar cada vez menos e ser permanentemente desconsiderado pelo patrão?

Fonte: www.dn.pt

8 COMENTÁRIOS

  1. Muitos Parabéns caro Ricardo Paes Mamede. É o primeiro artigo que leio sobre a questão dos professores com sentido ético e moral, e que resume na perfeição o estado do conflito Professores – Governo que se estende desde 2008 e não tem fim à vista. Infelizmente não vai ter fim, pois este conflito tem servido de arma de arremesso político para os partidos do governo subirem nas sondagens: todos os ataques aos professores provocam uma reação de satisfação à sociedade portuguesa que "comprou" a falácia vendida de que os professores são a classe de inúteis mais bem pagos do país. Estamos sozinhos e confesso que não consigo vislumbrar neste século um Portugal desenvolvido, onde os pais já não educam os filhos (porque se demitiram dessas funções) e onde um dos pilares essenciais para a transmissão de conhecimento, valores e princípios éticos e morais está constantemente a ser espezinhado, desautorizado e condenado a viver como um precário até à idade da reforma. (Um professor com 2/3 de carreira com 50 anos de idade e 23 anos de serviço aufere 1335 euros líquidos com subsídio de refeição incluído). Não, esta média de professores portugueses não ganha 3000 euros por mês, são mesmo 1335 euros! Obrigado

  2. Concordo plenamente com o Ricardo, no entanto, é pena não referido o problema das Escola com contrato de Associação, que, como sabe, têm sido atacadas em todos os aspectos. Todos os anos há despedimentos por motivos de redução de turmas. Se, como disse, se reduzisse as turmas para o máximo de 20 alunos por turma, havia menos professores no desemprego, tanto na Escola pública como na Privada com Contrato de Associação!
    Parabéns pelo texto, é pena sermos nós, quase os únicos, a dizer bem de nós!
    Paulo Cesário, professor no desemprego

  3. Parabéns e obrigado, Ricardo Paes Mamede. O discurso sistematicamente depreciativo, miseravelmente populista, sobre os professores tem de mudar, de facto.

  4. Está tudo lá, só não entende quem não quer. Somos uma classe que há décadas é humilhada e desacreditada publicamente, isto não se passa com mais nenhuma profissão. Acho eu. Humilhar e depreciar publicamente são as únicas armas que os governantes populistas dispõem para conseguir os seus objetivos politcos. Tudo não passa de medidas economicistas, é como diz o Ricardo. Estes governantes seguem o lema :"não olhar a meios para atingir os fins". E é disto q se trata. Com a agravante que os politicos têm sempre a imprensa populista sua conivente, que batendo palmas, aplaude contente, pois as vendas dos jornais serão maiores e mais dinheirinho em caixa, aproveitada pelas seus apoiantes nas redes sociais.È triste, mas é a realidade. Mª Lurdes Rodrigues, Socrates,Passos, agora estes…isto não tem fim. Grande parte do nosso tp de serviço passámo-lo a ser criticados negativamente e enxovalhados até dizer basta! Muito obrigado , Ricardo, mesmo!

  5. Como pode existir reconhecimento de tantas "outras e diversas profissões", se OS PROFESSORES não são respeitados nem reconhecidos (desde há quarenta e quatro anos)!? Há que encontrar uma resolução urgente para profissionais da EDUCAÇÃO com tanta dignidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.