Início Importados - Educação Uma experiência pedagógica antirracista no 1.º Ciclo – Sara R. Oliveira –...

Uma experiência pedagógica antirracista no 1.º Ciclo – Sara R. Oliveira – Educare

224
0

Há duas constatações relevantes que, de certa forma, foram o motor do projeto. O racismo raramente é abordado enquanto obstáculo à democratização escolar no debate político e científico nacional. As desigualdades étnico-raciais não têm tido, por variada razões, a mesma centralidade no amplo projeto de uma escola e sociedade democráticas. Ariana Furtado, professora do 1.º Ciclo na Escola do Castelo, em Lisboa, e Cristina Roldão, professora da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal, realçam estes dois aspetos num texto em que partilham e detalham o projeto “Com a mala na mão contra a discriminação”, uma experiência pedagógica antirracista implementada por uma equipa de professores e educadores numa turma de 22 crianças do 4.º ano na Escola Básica do Castelo, em Lisboa, no ano letivo passado. O texto é parte integrante do “Estado da Educação 2018”, publicado pelo Conselho Nacional de Educação.

Na Escola Básica do Castelo estudam alunos com ascendência ou que nasceram em mais de 14 países. O respeito pelo outro é fundamental e o projeto tem vários objetivos, uns mais genéricos, outros mais específicos. Explicar que o racismo viola os Direitos Humanos é uma ideia sempre presente. Combater a invisibilidade da discussão sobre o racismo estrutural na sociedade de forma didática e fundamentada no contexto escolar, compreender a produção e a divulgação da História, as suas singularidades e os seus silenciamentos, para estimular a consciência histórica e enriquecer o protagonismo infantojuvenil, são objetivos mais específicos.

A desconstrução de preconceitos conduz o projeto, pensar e debater a História faz parte da estratégia, perceber as diferenças, as desigualdades e os direitos, permite aprender mais e conhecer melhor. Os alunos começaram por perceber o que é o racismo, como apareceu no mundo, como se manifesta, como cresceu, por que razão é que algumas pessoas são racistas. “A necessidade de garantir uma educação racional, laica e não coerciva, menos teórica e mais prática, torna-se imprescindível para o desenvolvimento do caráter, o incentivo à solidariedade e a valorização do exemplo, da ação, como referência educacional e reflexo da cidadania, dos alunos”.

Construiu-se uma metodologia híbrida voltada para a educação não formal infantil e para a participação plena de todos os alunos. Os exercícios de imaginação, experienciais e de posicionamento, foram fundamentais para estimular o diálogo junto dos alunos, a reflexão sobre questões quotidianas e pontuais, a tomada de decisão em grupo. As ações foram dinamizadas de forma interativa e, em todos os encontros, foram elaborados materiais escritos e artísticos utilizados para ilustrar as discussões teóricas.

Ler mais em Educare.pt

Fonte: Educare

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.