Início Educação O regresso às aulas e o tio Patinhas – Luís Rosa

O regresso às aulas e o tio Patinhas – Luís Rosa

409
0

1-Os socialistas são mestres em tentarem convencer-nos que os acontecimentos mais expectáveis do mundo são, na realidade, os mais inesperados de sempre. José Sócrates jurava em 2010 que o “mundo mudou nas últimas três semanas” para justificar a aplicação das primeiras políticas de austeridade, quando, na realidade, já tinha mudado com a queda do Lehman Brothers em 2008 — o que não impediu Sócrates de levar o país para a bancarrota.

Obviamente que Costa passou a adotar a política da OMS quando o Ministério da Saúde ‘deu ao pedal’ e comprou os materiais que faltavam para realizar testes Mas agora parece que o Governo se prepara para mudar a política de testes de que tanto se orgulhava. E logo na pior altura (quando as aulas vão começar) e pelos piores motivos: dinheiro.

2-Explicando. Se lermos o guia que a DGS preparou para o regresso às aulas escolas (inexplicavelmente, só foi apresentado a 11 dias do início das aulas), percebemos que o Governo quer aplicar, entre outras regras corretas, o princípio das aulas presenciais. Ou seja, as autoridades de saúde e as escolas devem fazer tudo para que as instituições de ensino se mantenham abertas e os alunos nas aulas.

É um princípio correto pois o período do confinamento demonstrou que as aulas à distância além de terem uma eficácia mais reduzida do que as aulas presenciais, agravam muito significativamente as desigualdades sociais e afetam de forma estrutural o funcionamento do ‘elevador social’. Especialistas na matéria como o Alexandre Homem Cristo (Observador) ou Luís Aguiar Conraria (Expresso) evidenciaram isso mesmo até à exaustão.

Daí a DGS exigir que o encerramento do estabelecimento de ensino só possa ser ponderado pela Autoridade de Saúde Local depois de ouvir a direção-regional de saúde respetiva e a própria DGS e “em situações de elevado risco no estabelecimento ou na comunidade” (pág.13). Ou seja, é uma decisão que tem de ser tomada ao mais alto nível em termos técnicos.

Porquê? Porque a DGS não quer aplicar essa política à comunidade escolar. Basta ler o manual para o regresso às aulas para concluirmos que não existe a obrigatoriedade de testes. Por exemplo, o que determina a DGS caso seja detetado um aluno infetado: os seus colegas de turma são automaticamente testados? Outros alunos, professores ou funcionários da escola que tenham tido contacto com o aluno infetado são automaticamente testados? A resposta é simples a todas as perguntas: não.

Só os contactos de alto risco — ou seja, aqueles que estiveram a menos de dois metros do aluno infetado — poderão ser testados por determinação do delegado de saúde. Sendo que essa é uma última opção. Antes dessa prevalece o isolamento dentro da escola, seguido do isolamento profilático.

Do ponto de vista prático, esta opção implicará ‘condenar’ turmas inteiras (ou até todas as turmas do mesmo ano letivo que funcionam em ‘bolha’) a ficarem fechadas em casa durante uma boa parte do ano e até termos uma vacina. Ou seja, muitos alunos vão ser obrigados a ter ensino à distância com todas as consequências negativas que advém dessa prática.

3-Porque é que a DGS interrompe o mantra do “testar, testar, testar” tão defendido por António Costa durante o verão aquando dos problemas com os corredores aéreos com o Reino Unido e outros países?

A pergunta que deixo aqui é simples: será que um investimento entre 100 milhões a 200 milhões de euros é demasiado para termos os alunos nas escolas, com os ganhos pedagógicos e até sociais e psicológicos que daí advém? Parece-me que não mas alguém no Governo ou na DGS está a fazer o papel do tio Patinhas quando a saúde e a educação das crianças é que deveriam ser a prioridade. Aplicar critérios economicistas num tema destes é vergonhoso.

Há outra hipótese: numa altura crucial como o regresso às aulas (e o regresso das férias e o fim do teletrabalho de muitas empresas), num contexto em que a média diária de casos positivos está a subir de forma sustentada (de 175 no início de agosto disparou para 356 casos na última semana) e em que uma segunda vaga já poderá ter chegado a Espanha — o Governo pode não querer que a subida inevitável de casos tenha evidência real estatística. Ou seja, pode querer ‘amaciar’ os números.

Seja uma situação, seja outra, uma coisa é certa: a realização de testes regulares, diários se for necessário, à comunidade escolar, é essencial para assegurar um regresso às aulas seguro e, acima de tudo, para aplicar com eficácia o princípio das aulas presenciais.

E termino com uma pergunta simples: por que razão a DGS obriga o setor do futebol profissional a testar com grande intensidade, de forma a verificar continuamente quem está infetado, e não o faz com a comunidade escolar — o coração e o futuro do país?

Mais uma incongruência de uma autoridade nacional de saúde cada vez mais descredibilizada e de um Governo que tem um primeiro-ministro que adora ‘sacudir a água do capote’ em vez de liderar o país.

E quem vai pagar isto tudo no final do dia, serão as crianças e os pais, claro

Observador

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.