Início Educação Governo está a despedir mais de mil trabalhadores não docentes das escolas

Governo está a despedir mais de mil trabalhadores não docentes das escolas

1672
0

Agora que a maioria dos pais estão em férias e que as notícias enganadoras foram já amplamente difundidas “mais professores”; “mais auxiliares “, tudo em grande, vimos a saber que afinal…aproveitando agosto lá vem uma notícia que passará ao lado da maioria…talvez não!


A mês e meio da abertura do novo ano lectivo, com exigências muito particulares decorrentes da pandemia, o Governo está a despedir mais de mil trabalhadores não docentes das escolas da Rede Pública. A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais não aceita o despedimento destes trabalhadores e exige a sua integração e reforça a exigência da concretização uma outra política de recursos humanos que promova o emprego estável e o trabalho com direitos, como factor de qualidade da Escola Pública.

Nota à Comunicação Social da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais:

GOVERNO DESPEDE MAIS DE MIL TRABALHADORES NÃO DOCENTES, A MÊS E MEIO DO NOVO ANO LECTIVO

O Governo está a despedir mais de mil trabalhadores não docentes das escolas da Rede Pública, com os contratos de trabalho a termo certo celebrados em 2017, confirmando assim o que a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais denunciou em Abril passado e que, então, Ministro da Educação desmentiu.

Afinal, tínhamos razão e quem mentiu deliberadamente, foi o Ministro!

A mês e meio da abertura do novo ano lectivo, com exigências muito particulares decorrentes da pandemia e em que não podem existir falhas nos recursos humanos à disposição dos estabelecimentos de educação e ensino da Rede Pública, mais uma vez, o Governo, por meras razões de contenção orçamental ligada à municipalização da Escola Pública , opta por despedir ao invés de solucionar o problema, com o recrutamento destes trabalhadores com contrato sem termo.

Deve realçar-se que o está em causa não é a legalidade do processo, mas sim a falta de vontade política para a integração destes trabalhadores. Podia tê-lo feito e ainda está a tempo de o fazer, até 31 de Agosto, data em que caducam os contratos a termo certo. O Governo/Ministério da Educação, sabiam que em Agosto de 2020, os contratos a termo destes trabalhadores caducariam. Mas, deliberadamente, nada fez neste espaço de tempo para pôr fim à precariedade.

É inaceitável que o Governo/Ministério da Educação, insista no sistemático recurso ilegal à contratação a prazo de milhares de trabalhadores, para o exercício de funções de carácter permanente nos estabelecimentos de educação e ensino da Rede Pública.

A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais não aceita o despedimento destes trabalhadores e exige a sua integração e reforça a exigência da concretização uma outra política de recursos humanos que promova o emprego estável e o trabalho com direitos, como factor de qualidade da Escola Pública.

A gravidade desta situação leva esta Federação a promover uma CONFERÊNCIA DE IMPRENSA, no próximo dia 4 de Agosto, pelas 11:30H, junto ao Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública, em que, para além dos contornos deste processo, serão anunciadas iniciativas de luta contra a precariedade laboral na Rede Pública de Ensino.

CGTP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.