Início Educação Escola Pública – Entre A Realidade E As Evidências

Escola Pública – Entre A Realidade E As Evidências

267
0

Publicamos um comentário, feito no site do Arlindovsky, ao artigo Afinal, não há plano A, B ou C, apenas o “logo se vê”!


A palavra “plano” tem implícitas as ideias de “estratégia” e de “objectivo/propósito”.

No actual ME, um plano, definido nos termos anteriores, é coisa que parece nunca ter existido.
Recuperaram-se e importaram-se algumas ideias e alguns conceitos dos anos 80 e 90, o que não seria necessariamente mau, e tentou-se aplicá-los de forma desgarrada, sem uma linha condutora, esquecendo todas as alterações operadas em termos sociais, económicos e políticos, ao longo dos últimos 30, 40 anos…

Apesar disso, o principal desígnio da Escola Pública não pode deixar de continuar a ser este: disponibilizar e proporcionar educação e cultura a TODOS, e nos termos da Constituição Portuguesa, por muito que isto possa custar a alguns…
E, sim, a Escola Pública tem também o dever ético e moral de continuar o seu esforço no sentido de não deixar ninguém para trás e de não esquecer, particularmente, os alunos mais desfavorecidos económica e socioculturalmente, bem como aqueles que apresentam handicaps físicos, sensoriais e/ou cognitivos…

Nesse sentido, a Escola Pública tem que deixar de ser vista como uma fatalidade ou como a “escola dos pobrezinhos” e tem que adaptar e flexibilizar as suas exigências às características heterogéneas do seu público-alvo, por muito que isto também custe a outros…

Quando a Escola Pública deixar de ter isso em consideração, deixará, entre outros, de desempenhar o seu papel decisivo no sentido de contrariar o aparecimento e o estabelecimento de Radicalismos (de Esquerda ou de Direita) e de Populismos.

Quando o fomento da democracia participativa, do humanismo e da valorização de todos deixar de persistir na Escola Pública, restar-lhe-ão apenas os aspectos estritamente relacionados com a transmissão de Currículos Formais e isso é manifestamente redutor. Esperar apenas isso da Escola Pública é esvaziá-la de conteúdo e de significado, é reduzi-la e apoucá-la. Em última análise, é conduzi-la à sua própria destruição…

Voltando ao Ministério, está na altura, de se adaptarem os discursos muito eloquentes à realidade do sistema educativo. Ou então, de se mudar o sistema educativo… Porque, neste momento, não há coerência possível entre o discurso oficial do ME e a realidade nas escolas… Apregoa-se uma coisa, mas na prática exige-se o seu contrário…

Atulharam-se as escolas de papéis e de tarefas de natureza burocrática, apresentando como principal justificação a necessidade da existência de múltiplas “evidências”, relativas a múltiplas tarefas, muitas sem qualquer relação directa com a prática pedagógica e sem qualquer reflexo efectivo nas mesmas…

Isto não é verdadeiro humanismo, nem valorização de todos, nem flexibilização, nem inclusão. O humanismo, a valorização de todos, a flexibilização ou a inclusão não se alcançam por estarem escritas em papéis ou por existirem normativos legais que as referem, mas antes pela sua prática…
Isto é “fazer de conta” que os papéis substituem as práticas e que as práticas reflectem o que os papéis dizem… Nada disto é verdade…

Fonte: Arlindovsky

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.