Início Educação Educação nacional “precisa de um investimento brutal a todos os níveis” –...

Educação nacional “precisa de um investimento brutal a todos os níveis” – Francisca Guedes de Oliveira

736
0

“O que eu vejo de imediato é que há duas áreas que são absolutamente cruciais: a área da saúde e a área da educação”, disse em entrevista à Lusa a académica da Universidade Católica do Porto.

“Desde revisão de currículos, a infraestruturas, à maneira como se tratam os professores e se dignifica a carreira dos professores, que são umas almas santas – eu não consigo imaginar qual é o serviço que alguns dos professores fazem nas escolas públicas deste país”, disse à Lusa.

A professora universitária entende que devia ser dada “uma volta de 180 graus” ao sistema educativo nacional, da pré-escolar à universidade, e com “coragem e ambição”.

“Uma das coisas que eu acho que ficou claro com esta pandemia foi a desigualdade brutal no acesso às infraestruturas digitais”, lembrou, pelo que “a exclusão do ponto de vista digital” é uma das áreas para as quais “se tem de olhar e não é hoje, é ontem ou anteontem”.

Francisca Guedes de Oliveira entende que há “uma perceção no sentido de se achar que a dicotomia pública-privada é positiva em algumas coisas que não o é”, e nesse sentido a escola pública “tinha que ter um papel muito mais valorizado e muito mais cuidado”.

Como exemplo dessa dicotomia, a economista apresentou a não gratuitidade dos manuais escolares para alunos do ensino privado, cujas “vozes discordantes” são “completamente incompreensíveis”.

“E isso só me leva a crer que há de facto uma noção muito errada do papel da escola pública”, cuja valorização “tem que ser tal que pessoas que têm os filhos no privado queiram ter os filhos na escola pública”.

No entender da académica, “a escola pública só funciona bem, como elevador e como algo que ajuda à mobilidade social se lá estiver toda a gente, ou uma variedade muito grande de pessoas”, e que tal como no Serviço Nacional de Saúde, se “for só para quem não tem dinheiro para pagar o privado, a qualidade vai piorar dramaticamente”.

Para Francisca Guedes de Oliveira, estar no ensino privado “é um privilégio, porque tipicamente as escolas privadas, do ponto de vista de infraestruturas, de capacidade de acompanhamento dos miúdos e de uma série de outras coisas têm condições que as escolas públicas não conseguem ter”.

“Independentemente de ser uma opção individual de tirar os filhos da escola pública e pô-los no privado, como cidadã, tenho que continuar a acreditar que tudo o que for feito para potenciar a escola pública, para beneficiar quem opte pela escola pública, é para o bem de todos nós, porque é aquilo que vai permitir depois, efetivamente, a mobilidade social”, disse.

A escola pública de qualidade tem “um clima que beneficia todos e que trata todos da mesma maneira, como não poderia deixar de ser”, puxando também “o nível e o ambiente para exigência académica e capacidade de aprendizagem, que é o que é preciso”.

“Os pais não podem ter a sensação que têm que tirar o filho da escola pública porque se tornarmos a confinar e tornarmos a ter que partir para o ‘online’, a escola pública não dá resposta. Isso não pode acontecer”, vincou.

Quanto à saúde, e apesar de considerar o Serviço Nacional de Saúde (SNS) “inacreditável, pela positiva”, a pandemia de covid-19 “expôs a fragilidade que o sistema tem”.

“Na perspetiva de utente, acho que há aqui uma série de coisas que têm de ser olhadas, quer do ponto de vista de infraestruturas físicas, do ponto de vista de recursos humanos, e do ponto de vista da relação público e privado, que eu acho que há imensas confusões que tinham que ser resolvidas”, referiu.

A economista crê que o setor da saúde “tem de continuar a contar com o privado”, questionando “algumas medidas que foram tomadas nesse sentido”.

Notícias ao Minuto

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.