Início Editorial Do 54 (obrigatório passar) Às Inspeções (nada de inflacionar)!

Do 54 (obrigatório passar) Às Inspeções (nada de inflacionar)!

1150
0

No verão de 2018, como quem não quer a coisa, o ME lançou dois lindíssimos decretos, um sobre a flexibilização curricular e outro sobre a inclusão, um decreto que veio substituir o já “velhinho” 3/2008.

Pois bem desde desse ano letivo 2018/2019 , a possibilidade de reter alguma aluno por falta de conhecimento ficou reduzida à probabilidade de quase 0%. Qual a razão?

Foi criada uma pirâmide que os alunos terão de percorrer, essa pirâmide ao ser escalada vamos diminuindo a dificuldade dos conteúdos para que todos alcancem o sucesso escolar!

Dito assim até pode parecer bonito, contextualizado é de uma tremenda injustiça!

Hoje qualquer aluno, ao abrigo deste DL, pode ter as chamadas Medidas Universais e com elas “usufruir” de tudo o que nelas estão inscritas, ou seja, à mínima dificuldade, o professor, pode e deve colocar um ou todos a “usufruírem”, dando um claro sinal de que as dificuldades superam-se, não com mais trabalho, mas sim com a adaptação do mundo a cada um de nós!

Esta mensagem, por si só, é errada para quem quer que seja, mas sobretudo para as crianças, porque a vida com certeza não lhes dará as Medidas Universais, na universidade, no seu emprego e etc…

Quanto as Universais não chegam, há ainda as Seletivas e por fim temos as Adicionais, que são os graus diminutivos, no que respeita à dificuldade, das primeiras.

Se não, reparemos, um aluno neste momento transita ou é aprovado sempre. Caso não aconteça, o único que será posto em causa é o professor que não soube “adaptar o mundo” aquela criança, nem sequer se questiona se o aluno é aplicado ou não! E isto é grave por duas razões:

  1. A mensagem que se dá às crianças/jovens é de que faça ele o que fizer, alcançará a escolaridade obrigatória.
  2. A mensagem que se passa aos demais é de que o esforço não compensa, pois o resultado no fim é igual.

Perante isto acho de uma hipocrisia extraordinária andarem agora a investigar notas dos 11.º e 12.º anos para ver se há inflação, quando essa inflação é incentivada desde do 1.º ciclo.

Percebo que não tenha havido coragem de alterar a forma de acesso ao ensino superior, adiando os exames para setembro ou mesmo outubro e entregando a execução dos exames a cada Universidade. Preferiram manter tudo igual!

Vêm agora, carregados de hipocrisia, inspecionar?

Tudo o que vai sendo feito naquele Ministério demonstra muita falta de rumo, hoje é, amanhã já não é, ontem foi, hoje pode não ser!

Há 2 anos a pedir para “inflacionar” agora, tal e qual virgens ofendidas, ver quem afinal inflaciona!

Eu só gostaria de saber quais os planos que têm para setembro…Ouvi falar em plano A, B, C e D, depois ouvi falar em B-Learning, depois em presencial, depois só remoto…

 

Já sei, na véspera do arranque do ano letivo saberemos!

 

Alberto Veronesi

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.